O que pode causar descolamento de retina?

Alterações na retina afetam profundamente a qualidade da nossa visão e no texto de hoje falaremos sobre algumas situações que podem levar à gravidade do seu descolamento. Acompanhe.

           Sabemos que a retina pode ser considerada a parte mais importante do olho, uma vez que é ela a responsável pela transmissão de imagens ao nosso cérebro. No entanto, ela não possui nenhuma fixação específica que a mantém ligada ao globo ocular e a sua estabilidade se deve por conta do vítreo, aquela solução gelatinosa que preenche toda a parte interna do olho e que inclusive o estrutura de forma ovalada. Estando na sua devida posição, a retina recebe os nutrientes necessários para cumprir o seu papel: captar e transmitir, pelo nervo óptico, os sinais elétricos para o cérebro. Ao constatar-se um descolamento de retina, o que se verifica é um desprendimento da retina do globo ocular, isto é, a separação da retina em duas camadas e o aparecimento de uma rasgadura. Essa rasgadura geralmente ocorre quando o vítreo se separa da retina na zona onde a ligação é mais forte, e tal rompimento abrupto interrompe o recebimento de nutrientes da retina ao mesmo tempo em que promove uma degeneração das células responsáveis pela captação de imagens (luz). Assim, o descolamento de retina é também considerado uma grave emergência que merece cuidados imediatos logo nos primeiros sintomas, que podem ser flashes luminosos, a sensação de “moscas volantes”, ou seja, de que aparecem moscas voando por toda a parte, ou ainda visão turva, embaçada, com sombra central ou periférica.

        O descolamento de retina pode ocorrer também, não por rasgadura ou ruptura, mas por tração ou repuxamento na região da retina onde possam ter se formado aderências em virtude de alterações no vítreo. Nesse sentido, pacientes com retinopatia diabética proliferativa correm mais risco visto que essa condição conduz ao crescimento de tecido cicatricial sujeito a atuar sobre a retina. O descolamento pode ainda ser provocado por tumores ou doenças inflamatórias que estejam a favorecer o acúmulo de fluido na região.

                Algumas outras eventuais situações, tais como um traumatismo em decorrência de um murro, podem levar ao surgimento desta condição, embora existam fatores de risco sobre os quais devemos da mesma forma prestar bastante atenção. Pessoas com alto grau de miopia, ou que já passaram por cirurgia ocular anterior (como para a catarata, por exemplo), bem como aquelas que apresentam glaucoma ou diabetes sem controle então mais propensas a ter de lidar com esse descolamento. Sabe-se também que pessoas com 40 anos ou mais estão suscetíveis da mesma maneira, além daquelas que já possuem histórico de descolamento de retina na família.

            Por se tratar de uma situação emergencial, é muito importante não se descuidar e manter-se sempre atento a qualquer alteração visual, já que na grande maioria dos casos uma intervenção cirúrgica é o suficiente para reverter o problema. Mas isso, só um médico oftalmologista poderá afirmar com certeza para você. Portanto, não hesite em procurá-lo ao menor incômodo que possa estar sentindo.

Procurando oftalmologista especialista em retina? Marque aqui sua consulta!

Comentários: